Trump anuncia expulsão de 60 russos dos EUA após ataque a ex-espião no Reino Unido

A ordem também determina o fechamento de um consulado russo, na cidade de Seattle, estado de Washington, no noroeste do país.

Presidente Donald Trump. Foto: Joyce N. Boghosian/Official White House Photo

O presidente Donald Trump assinou nesta segunda-feira (26) uma ordem de expulsão de 60 funcionários de inteligência e diplomatas russos em retaliação ao envenenamento de um ex-expião russo na Inglaterra. Os oficiais expulsos estavam à serviço da Rússia em Nova York e na capital Washington. A ordem também determina o fechamento de um consulado russo, na cidade de Seattle, estado de Washington, no noroeste do país.

A missão russa na sede das Nações Unidas em Nova York teve 12 diplomatas expulsos, e 48 representantes diplomáticos da embaixada russa em Washington fazem parte da lista de expulsões.

O governo norte-americano justificou que os nomes constantes na lista são de pessoas que trabalham a serviço de operações secretas de inteligência da Rússia, que “minam a segurança nacional dos Estados Unidos”.

Funcionários da secretaria de Estado norte-americana, ouvidos por veículos locais, como Washington Post e CNN, afirmaram que o consulado em Seattle teria recebido a ordem de fechamento porque o governo Trump acredita que o local funcionava como um “centro de inteligência russo”.

Diplomatas entrevistados em anonimato afirmaram que as expulsões são uma resposta “adequada” do governo norte-americano ao envenenamento do ex-espião, Sergei Skripal, e de sua filha Yulia.

Os Estados Unidos seguiram o mesmo padrão de alguns países europeus que já haviam ordenado expulsões do corpo diplomático por causa do incidente na Grã-Bretanha.

A expulsão dos 60 diplomatas é a maior desde 1986, quando o então presidente republicano Ronald Reagan expulsou 55 diplomatas da Rússia.

Antes de terminar o mandato, o ex-presidente Barack Obama havia expulsado 35 funcionários da Rússia, após acusar o governo russo de interferência nas eleições norte-americanas, para prejudicar a campanha democrata de Hillary Clinton.

As denúncias de interferência russa que teriam favorecido Donald Trump ainda não foram esclarecidas.

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.