Justiça determina a prisão de Beto Richa, ex-governador do Paraná

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) é alvo de prisão preventiva na manhã desta sexta-feira (25).

Beto Richa. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Beto Richa. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), foi preso em casa, em Curitiba, por volta das 7h desta sexta-feira (25), de acordo com a Justiça Federal.

Dirceu Pupo Ferreira, contador da ex-primeira dama Fernanda Richa, também é alvo de prisão preventiva.

As prisões foram decretadas pelo juiz Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba. O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) em um desdobramento da Operação Integração – que foi uma fase da Lava Jato, que investigou a concessão de rodovias no Paraná.

A investigação que originou o mandado de prisão apura supostos crimes na concessão de rodovias do estado.

A prisão é preventiva, ou seja, por tempo indeterminado.

Preso em setembro

Beto Richa (PSDB) foi preso em setembro, em sua casa em Curitiba, em pleno processo eleitoral, quando era candidato ao Senado, em operação coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do estado.

Fernanda Richa, esposa de Beto, e Deonlison Roldo, seu ex-chefe de gabinete, também foram presos.

A operação foi a primeira a atingir de forma tão dura o principal núcleo tucano no Brasil.

Quatro dias depois, Beto Richa foi solto após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes.