Duas partidas pelo Grupo A da Copa América marcam a segunda rodada da competição nesta terça-feira (18). A Bolívia enfrenta o Peru às 18h30, no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, e o Brasil e a Venezuela jogam às 21h30, na Fonte Nova, em Salvador. O Brasil é o líder do grupo por ter vencido a Bolívia por 3 a 0. Na primeira partida, Venezuela e Peru empataram em 0 a 0.

Brasil e Venezuela

A seleção brasileira não treinou ontem (17) na Fonte Nova, como é praxe, com a finalidade de preservar o gramado que receberá a partida de logo mais às 21h30, entre o Brasil e a Venezuela. O Comitê Organizador Local (COL) decidiu transferir o último trabalho dos brasileiros para o Estádio Barradão.

A Venezuela também treinaria no mesmo local e teve o seu trabalho transferido para o Estádio do Pituaçu. A atividade estava marcada para começar às 18h, mas a chuva que atinge Salvador e o trânsito da cidade atrasaram em meia hora os preparativos.

Na partida entre a Argentina e Colômbia, no último sábado (15), as duas seleções saíram criticando muito as condições do gramado da Arena Fonte Nova. A Colômbia ganhou por 2 x 0.

Hoje, a Venezuela entrará em campo desfalcada do lateral-esquerdo Luis Mago, expulso no empate sem gols contra o Peru. Ronald Hernández será o substituto. A escalação da Venezuela é a seguinte: Faríñez; Rosales, Chancellor, Villanueva e Hernández; Junior Moreno, Rincón e Herrera; Savarino (Soteldo), Salomón Rondón e Murillo.

Tite fez mistério sobre a escalação do time que enfrentará a Venezuela e não deu pistas aos jornalistas sobre a equipe que começará jogando.

Na entrevista coletiva, o treinador evitou confirmar se Arthur vai ganhar a vaga de Fernandinho. O Brasil não quer dar chances ao adversário que,segundo a comissão técnica, tem muito mais condições de surpreender o Brasil do que a Bolívia.

Segundo Tite, o objetivo é não dar oportunidade ao adversário de saber quem vai começar jogando. “Vai ser Neres ou Cebolinha? Vai jogar Fernandinho ou muda a composição? Não quero facilitar o trabalho do adversário”, disse o treinador brasileiro.

Histórico

Ao todo, foram 13 partidas, oito vitórias do Brasil e cinco empates. Em especial, na Copa América, foram três empates e uma vitória.

Na história, os principais duelos ocorreram na Copa América de 1989, no Brasil. A Fonte Nova recebeu três jogos da seleção brasileira na primeira fase: dois empates sem gols com o Peru e a Colômbia e uma vitória por 3 a 1 sobre a Venezuela.

Nesse jogo, Bebeto, Geovani e Baltazar marcaram para o Brasil, enquanto Carlos Maldonado descontou para a Venezuela. A seleção brasileira sagrou-se campeã, acabando com o jejum de 40 anos.

Bolívia e Peru

Também hoje, às 18h30, as seleções da Bolívia e do Peru se enfrentam no Estádio do Maracanã.

O treinador da Bolívia, Eduardo Villegas reclamou ontem (17) do atraso para chegar ao Estádio do Maracanã, no início da noite, para conhecer o gramado e as instalações do estádio, onde a equipe enfrenta o Peru. A seleção boliviana está hospedada em um hotel no Leme, na zona sul do Rio, e atrasou a chegada ao estádio em 20 minutos, devido ao trânsito na cidade, na hora do rush.

A seleção peruana chega para a partida depois de tropeçar e ficar no empate em 0x0 com a Venezuela na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

A equipe conta com nomes como Carrillo, Paolo Guerrero e Farfán e quer garantir os três pontos para não precisar de uma vitória na última rodada, quando terá de enfrentar a seleção brasileira na Arena Corinthians, em São Paulo.

Estudantes

A rede pública estadual de ensino recebeu 4 mil ingressos da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) para distribuir entre os estudantes. Eles poderão assistir a partida entre as seleções do Peru e da Bolívia.

Policiamento

As secretarias de Polícia Militar e Civil intensificaram a segurança durante a Copa América no Rio de Janeiro. No Maracanã, que terá cinco partidas da competição, o esquema de policiamento é diferenciado, com uma delegacia móvel para atender ocorrências do entorno em dias de jogos.

Há plantões de delegados, agentes com fluência em inglês e espanhol, e peritos legista e criminal. A unidade funciona em conjunto com o Juizado Especial do Torcedor e Grandes Eventos, de acordo com os horários das partidas.

A Coordenadoria de Recursos Especiais Core) tem equipes de prontidão no estádio, inclusive com agentes do Esquadrão Antibombas para verificação de artefatos explosivos, para o gerenciamento de crises e possíveis intervenções táticas.

A fiscalização da queima de fogos de artifício no estádio está a cargo da Coordenadoria de Fiscalização de Armas e Explosivos (CFAE).

Um dos principais acessos ao Maracanã, os ramais ferroviários, ganham reforço do Grupamento de Policiamento Ferroviário, em especial a estação do bairro da arena esportiva. O Grupamento Aeromóvel faz o monitoramento aéreo no perímetro do estádio.