Ministro diz que estamos ‘navegando às cegas’ em meio ao coronavírus

O ministro Nelson Teich afirmou que o distanciamento social é a medida necessária quando não se tem informações suficientes sobre uma pandemia.

Ministro da Saúde Nelson Teich. Foto: José Dias/PR
Ministro da Saúde Nelson Teich. Foto: José Dias/PR

O ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou nesta quarta-feira (29) que o distanciamento social é a medida necessária quando não se tem informações suficientes sobre uma pandemia, como é o caso da causada pelo coronavírus. A informação é do R7.

Siga o Gazeta do Dia no Google News

Teich participou de uma sessão virtual do Senado Federal para prestar esclarecimentos sobre o trabalho do Ministério da Saúde no combate à covid-19.

“Quando eu falo que falta informação, a gente não sabe qual é o percentual da sociedade que está comprometido pela doença, porque você tem os assintomáticos, o grosso das pessoas não tem sintomas ou tem sintomas leves. Você não sabe se essas pessoas transmitem tanto quanto aquelas que estão mais graves. Os testes que a gente faz não permitem hoje saber a realidade”, afirmou.

Em seguida, Teich complementou que “sem esse conhecimento, você, literalmente, está navegando às cegas”.

“A medida de um isolamento que radicaliza o distanciamento, ele é necessário por quê? Porque você não sabe o que fazer.”

Segundo o ministro, que está no cargo há 13 dias, a medida “radical” é o que se faz há cem anos, desde a gripe espanhola. “É interessante que cem anos depois da gripe espanhola, você está tendo o mesmo tipo de comportamento.”

Isolamento

“O isolamento é uma ferramenta. Ele é bem-usado ou mal-usado. O que na prática a gente vai discutir quando a gente cria uma diretriz é, definir para cada tipo de situação, se deve ficar em casa ou não, porque tem pessoas que fazem atividades críticas que não vão poder ficar em casa”, frisou.

Teich não quis manifestar um posicionamento único sobre o distanciamento social.

“Você simplesmente perguntar se fica em casa, se não fica em casa… é simples demais, é uma resposta simplista para um problema que é extremamente heterogêneo.”