Indígenas de Dourados recebem 10 mil máscaras para o combate ao coronavírus

A entrega simbólica será na Casa de Cursilhos de Dourados, onde está instalada uma iniciativa de controle da doença que envolve diversas instituições.

Ação faz parte do Movimento Energia do Bem e vai distribuir 65 mil máscaras no estado. Foto: Divulgação
Ação faz parte do Movimento Energia do Bem e vai distribuir 65 mil máscaras no estado. Foto: Divulgação

O Governo de MS, por intermédio da Secretaria de Estado de Saúde e da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), receberam a doação de 10 mil máscaras de tecido da Energisa que serão entregues para os indígenas de Dourados (MS).

Siga o Gazeta do Dia no Google News

A entrega simbólica será realizada nesta quarta-feira (27) na Casa de Cursilhos de Dourados, onde está instalada uma iniciativa de controle da doença que envolve diversas instituições públicas e privadas. No local, estão em quarentena indígenas que testaram positivo para o novo coronavírus. Desde a semana passada, os casos confirmados foram levados para o local para serem monitorados.

“Queremos que todos os indígenas tenham máscara e, por isso, tal iniciativa é de total relevância. Apenas com a união de esforços vamos conseguir vencer essa guerra contra o coronavírus. O legado dessa pandemia será o fortalecimento e a união, e não só números negativos”, salienta o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende.

A doação das máscaras faz parte do Movimento Energia do Bem, voltada ao enfrentamento à pandemia. Em Mato Grosso do Sul, a iniciativa vai produzir 65 mil máscaras que serão destinadas a indígenas e idosos por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul (Semagro).

“Recebemos essa demanda da Secretaria de Saúde e por meio da Energisa, conseguimos que fosse atendida. A atitude confirma que as empresas sul-mato-grossenses têm mostrado seu engajamento na preservação da vida”, explica o secretário da Semagro, Jaime Verruck.

A produção dos itens de proteção está sendo realizada desde a semana passada por mulheres da Associação de Capacitação de Economia Solidária do Povo (ACIESP), de Campo Grande, instituição que atende vítimas de violência doméstica. “Essa parceria está sendo fundamental para as mulheres do projeto, pois oportuniza melhorias financeiras durante esse período de pandemia”, explica a coordenadora e fundadora da ACIESP, Ceureci Santiago.

Para o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, a contratação de mão de obra local além de ser um estímulo para a economia tem viés social. “Somos um dos estados que tem maior percentual de violência doméstica no país, e é de extrema importância fomentarmos a geração de trabalho e emprego a essas mulheres”.

A união de todos nós nesse momento é a garantia de um futuro melhor e mais humanizado, afirma o presidente da Energisa, Marcelo Vinhaes. “Enquanto pudermos ampliar o apoio a quem precisa, especialmente aqueles que estão no grupo de risco, o faremos. E a confecção das máscaras é uma forma de contribuir também com a economia local; um dos setores que vem sentindo os efeitos dessa pandemia”.

Movimento Energia do Bem – iniciativa do grupo Energisa além das máscaras tem atuado em outras frentes, como o investimento de R$ 1,5 milhão para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para a produção de testes para diagnóstico de Covid-19 em nível nacional. No Estado, além das 65 mil máscaras que estão sendo confeccionadas, 300 famílias carentes de Campo Grande receberam cestas básicas. A Energisa também está sendo responsável pelo transporte e calibração de 70 ventiladores pulmonares danificados de diversas instituições de saúde do interior do Estado.