“Temos as Forças Armadas ao lado do povo”, diz Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que "não tem mais conversa", e que pede a Deus "que não tenhamos problemas nesta semana, porque chegamos no limite".

Presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Marcos Corrêa/PR
Presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (3) que “não tem mais conversa”, e que pede a Deus “que não tenhamos problemas nesta semana, porque chegamos no limite”.

Siga o Gazeta do Dia no Google News

“Vamos tocar o barco. Peço a Deus que não tenhamos problemas nessa semana. Porque chegamos no limite, não tem mais conversa. Daqui para frente, não só exigiremos, faremos cumprir a Constituição. Ela será cumprida a qualquer preço. E ela tem dupla-mão. Não é de uma mão, de um lado só não. Amanhã nomeamos novo diretor da PF e o Brasil segue o seu rumo aí”, disse.

As declarações, em tom de desafio, foram dadas em uma live transmitida em rede social, feita enquanto Bolsonaro participava de um ato a favor do governo e com pautas antidemocráticas e inconstitucionais na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

O presidente também não detalhou o que significa “não admitir interferência”, e não disse o que pretende fazer caso novas medidas sejam derrubadas na Justiça.

“Queremos a independência verdadeira dos três poderes e não apenas uma letra da Constituição, não queremos isso. Chega de interferência. Não vamos admitir mais interferência. Acabou a paciência. Vamos levar esse Brasil para frente. Acredito no povo brasileiro e nós todos acreditamos no Brasil.”

O presidente também voltou a criticar governadores, a quem culpa pelo desemprego e pela crise econômica em meio à pandemia do novo coronavírus. Segundo Bolsonaro, a decisão de fechar comércios é “irresponsável” e “inadmissível”.

“O Brasil como um todo reclama volta ao trabalho. Essa destruição de empregos irresponsável por parte de alguns governadores é inadmissível, o preço vai ser muito alto na frente. Fome, desemprego, miséria. Isso não é bom. E o país de forma altiva vai enfrentar os seus problemas.”

Bolsonaro classificou o ato como “manifestação espontânea do povo aqui em Brasília, em defesa da democracia da liberadade.”

“Quer um governo sem interferência, que possa trabalhar para o futuro do Brasil”, disse. No ato, os manifestantes exibiram faixas pedindo intervenção militar e gritaram contra o Congresso Nacional, o STF e o ex-ministro Sergio Moro.