Vacina testada no Brasil é a ‘mais avançada’ para combater o coronavírus, diz OMS

A vacina está na fase 3 de desenvolvimento - última fase antes da aprovação e distribuição - e começou a ser testada em voluntários brasileiros.

Vacina é a "mais avançada" do mundo "em termos de desenvolvimento". Foto: Pixabay
Vacina é a “mais avançada” do mundo “em termos de desenvolvimento”. Foto: Pixabay

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou, nesta sexta-feira (26), que a vacina produzida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, em parceria com o laboratório AstraZeneca, é a que lidera a corrida pela procura de um imunizante contra a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Essa vacina está sendo testada aqui no Brasil.

Siga o Gazeta do Dia no Google News

De acordo com a OMS, a vacina ChAdOx1 nCoV-19 é a “mais avançada” do mundo “em termos de desenvolvimento”. As declarações foram feitas pela cientista-chefe do órgão, Soumya Swaminathan, que também informou que a pesquisa da americana Moderna também “não fica muito atrás” dos trabalhos realizados pela AstraZeneca.

A corrida por uma vacina contra a covid-19 conta com mais de 200 candidatas em todo o mundo. Dessas, 15 já entraram em fases clínicas. A OMS também disse que está em contato com fabricantes chineses para acompanhar o desenvolvimento de seus trabalhos para a busca de um imunizante.

Testes no Brasil

A vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford está na fase 3 de desenvolvimento – última fase antes da aprovação e distribuição – e começou a ser testada nesta semana em voluntários brasileiros, em um estudo liderado no país pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Em entrevista à Reuters na quarta-feira (24), a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, disse que os ensaios clínicos com a vacina de Oxford e da AstraZeneca podem durar até um ano.

Já a vacina da chinesa Sinovac deverá começar a ser testada no Brasil em julho, depois de a companhia fechar acordo com o Instituto Butantan, ligado ao governo do Estado de São Paulo, que pode levar à produção dela no Brasil, caso se mostre eficaz.

*Com informações das agências