Bolsonaro jogou a toalha logo no início da pandemia, diz Mandetta

Presidente queria que o governo federal saísse do combate à pandemia e fosse deixado só com prefeitos e governadores, afirmou Mandetta.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Foto: José Dias/PR
O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Foto: José Dias/PR

Diante da marca de 100 mil mortos por covid, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou ter levado as previsões de mortes por covid-19 a Jair Bolsonaro e que o presidente, o único a ele revelar as projeções que recebia.

Segundo Mandetta, Bolsonaro queria que o governo federal não se envolvesse no combate à pandemia.

“O presidente jogou a toalha do combate à pandemia logo no começo. Expus para ele todos os números de cada cenário. Ele tomou a decisão de não fazer o isolamento. Ele queria que o governo federal saísse do combate à pandemia e fosse deixado só com prefeitos e governadores”, afirmou Mandetta.

O ex-ministro afirma ter levado os números apenas para o presidente e não ter reportado os dados publicamento para evitar que fossem tomados como algo dado, contra a qual não valeria a sociedade lutar.

Brasil passa dos 100 mil mortos por covid-19. Foto: Alex Pazuello/Semcom
Brasil passa dos 100 mil mortos por covid-19. Foto: Alex Pazuello/Semcom

Ele também diz que a opção defendida pelo governo, de isolamento vertical, seria uma “carnificina”.

“A opção que o governo queria, a quarentena vertical, seria uma carnificina. Existiam três opções: a que propus, o isolamento total, a que o presidente queria, a quarentena vertical, e o meio do caminho, que foi o que está acontecendo, de fechar algumas coisas e ir flexibilizando. isso prolonga a pandemia muito mais o que deveria”.