“Brasil precisa urgentemente parar por 3 semanas”, diz epidemiologista

O epidemiologista Pedro Hallal afirmou que o Brasil precisa adotar lockdown total e restringir ao máximo a circulação de pessoas.

Pedro Hallal defendeu que o país vacine 1,5 milhão de pessoas por dia e que adote lockdown total. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Pedro Hallal defendeu que o país vacine 1,5 milhão de pessoas por dia e que adote lockdown total. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O epidemiologista e ex-reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pedro Hallal, afirmou, nesta quinta-feira (24), que o país precisa adotar lockdown total e restringir ao máximo a circulação de pessoas pelas próximas três semanas como medida para frear a onda de contágios e mortes pelo novo coronavírus. A informação é do Metrópoles.

Hallal ressaltou que os estudos comprovam a eficácia da restrição da circulação na redução de casos da covid-19.

Além disso, o pesquisador cobra celeridade na vacinação contra covid-19. “Quero lembrar que ontem [quarta-feira, 23/6] morreram mais de 2 mil pessoas no Brasil. A gente não tem que pensar no futuro lá na frente, a gente tem que pensar no futuro agora”, disse.

“Existem duas medidas que a gente precisa adotar para controlar a pandemia nesse estágio. A primeira, é vacinar, em média, 1 milhão e meio de pessoas todos os dias. Felizmente, o Brasil conseguiu chegar nesse número algumas vezes, mas precisa chegar nesse número em média. Brasil precisa também, urgentemente, parar, integralmente, o país todo por três semanas, para que a gente consiga colocar os números lá no chão”, prosseguiu.

Hallal participa de audiência pública promovida pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid nesta quinta-feira (24). Também participa do encontro a diretora executiva da Anistia Internacional, Jurema Werneck.