Lula bate o martelo e diz se Alckmin será ministro no novo governo

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) descartou a hipótese de seu vice, Geraldo Alckmin (PSB), ser cotado para algum ministério.

 

Lula derrota Bolsonaro e é eleito presidente do Brasil. Foto: Ricardo Stuckert
Lula bate o martelo e diz se Alckmin será ministro no novo governo. Foto: Ricardo Stuckert

Geraldo Alckmin (PSB) não vai ocupar nenhum ministério. A afirmação é do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), descartando nesta quinta-feira (10), que seu vice, é cotado para algum ministério no futuro governo.

“Eu fiz questão de colocar o Alckmin como coordenador para que ninguém pensasse que o coordenador vai ser ministro. Ele não disputa vaga de ministro porque é o vice-presidente da República”, disse Lula em discurso no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) de Brasília, sede da comissão de transição.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na primeira visita ao local dos trabalhos desde que foi eleito, Lula descartou que os nomes dos integrantes do comitê sejam automaticamente considerados postulantes aos ministérios de seu futuro governo.

◊ Relatório das Forças Armadas não excluiu a possibilidade de fraude nas urnas

“Podem ser ou podem não ser, mas [que] ninguém fique trabalhando como se ‘ah, eu vou ser ministro porque fui escolhido para comissão de transição'”, discursou o petista.

Nas palavras de Lula, o grupo que irá atuar no CCBB tem a função de fazer uma “ressonância magnética” para “fazer um levantamento da situação do país”, e não possui um poder de decisão neste momento.

“A partir dessa situação, nós vamos discutir e tomar algumas decisões para começarmos o processo de mudança do nosso país. Se alguém quiser contribuir, quiser mandar proposta, por favor, não se sintam excluídos porque não estão na lista das pessoas que estão participando”, disse Lula à audiência no local, composta também por parlamentares de partidos aliados.

Apesar da fala de Lula, nomes como o da senadora Simone Tebet (MDB), o da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e o do ex-ministro Aloizio Mercadante (PT), todos presentes na equipe de transição, estão na lista de cotados para assumirem ministérios.