PF diz que Bolsonaro cometeu incitação ao crime quando associou vacina à Aids

Polícia Federal aponta que Jair Bolsonaro cometeu crime ao associar as vacinas contra a covid-19 ao desenvolvimento da Aids.

Bolsonaro cometeu crime, aponta PF. Foto: Alan Santos/PR
Bolsonaro cometeu crime, aponta PF. Foto: Alan Santos/PR

A Polícia Federal (PF) aponta que o presidente Jair Bolsonaro (PL) cometeu crime ao associar as vacinas contra a covid-19 ao desenvolvimento da Aids. As declarações do chefe do Executivo federal foram feitas durante uma transmissão ao vivo pelas redes sociais e não têm base científica.

De acordo com a corporação, o presidente disseminou informações falsas, alegando se basear em relatórios do Reino Unido. Na transmissão, sem apresentar provas, Bolsonaro afirmou que as pessoas vacinadas contra o coronavírus estavam “desenvolvendo Aids muito mais rápido do que previsto”.

As investigações apontam que o texto lido pelo presidente foi elaborado pelo ajudante de ordens Mauro Cid. “Jair Messias Bolsonaro, por sua vez, de forma direta, voluntária e consciente, disseminou as desinformações produzidas por Mauro Cid, em sua live semanal no dia 21 de outubro de 2021, causando verdadeiro potencial de provocar alarme junto aos espectadores, ao propagar a desinformação de que os ‘totalmente vacinados contra a covid-19’ estariam ‘desenvolvendo a síndrome de imunodeficiência adquirida muito mais rápido que o previsto’, e que essa informação teria sido extraída de ‘relatórios do governo do Reino Unido'”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A investigação aponta que Cid colheu as informações na internet, em reportagens e artigos, mas que deturpou o conteúdo que leu e a partir dai produziu textos com informações falsas. As pesquisas, testes e as aplicações dos imunizantes contra a covid-19 revelam que as vacinas são seguras, produzem a resposta imunológica necessária, gerando proteção contra o vírus e salvando vidas.

Vacinação no Brasil

O Brasil já vacinou mais de 150 milhões de pessoas sem registrar efeitos colaterais graves ou danos à população, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Relatório da Fundação Oswaldo Cruz publicado nesta quarta-feira (17) aponta que o país enfrenta a menor taxa de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) desde o começo da pandemia.

Não existe relação das vacinas contra a covid com o desenvolvimento da Aids. No relatório enviado ao ministro Alexandre de Moraes, relator do caso no Supremo, a Polícia Federal pede a prorrogação das investigações.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no Brasil e no mundo?

Então nos siga em nossas redes sociais, como o Facebook, Instagram e Google News. Assim, você acompanhará tudo sobre economia, esporte, tecnologia, saúde e muitas outras matérias interessantes.