Saque-aniversário do FGTS deve acabar no governo Lula

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho (PT), vai propor ao presidente Lula (PT) o fim do saque-aniversário do FGTS.

Carteira de trabalho. Foto: Camila Domingues/Palácio Piratini
Saque-aniversário do FGTS deve acabar no governo Lula. Foto: Camila Domingues/Palácio Piratini

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho (PT), vai propor ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) o fim do saque-aniversário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A modalidade, na avaliação de Marinho, reduz a reserva de dinheiro que poderia ser acessada em caso de demissão.

“Antes disso, o ministro vai levar a discussão desse tema ao conselho curador do FGTS e às centrais sindicais”, detalhou, em nota, a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho. O objetivo da revogação, segundo a pasta, é “preservar a poupança do trabalhador e garantir a real finalidade do FGTS”.

Marinho diz que o FGTS tem duas finalidades: socorrer financeiramente um trabalhador demitido sem justa causa e valorizar as cotas por meio da aplicação dos recursos em investimentos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não há previsão da data em que o saque-aniversariante, criado no governo de Jair Bolsonaro (PL), será extinto. Enquanto isso, aniversariantes de janeiro podem realizar os saques do FGTS. Para 2023, a estimativa é que a modalidade libere R$ 22 bilhões em pagamentos.

A modalidade funciona desde 2020, permitindo a retirada anual de parte do saldo de qualquer conta ativa ou inativa do FGTS, sempre no mês de aniversário do contribuinte. A contrapartida é não receber parte daquilo a que tem direito em caso de demissão sem justa causa, ficando permitido o saque de 40% referente à multa rescisória.

Cabe ao cidadão optar ou não pela modalidade. Se não houver a indicação, o contribuinte permanece no sistema do saque-rescisão. Até agora, cerca de 17,8 milhões de pessoas aderiram ao saque-aniversário.

Outras medidas

Assim que foi empossado, Marinho disse que, à frente da pasta, vai priorizar a inovação, com o uso das tecnologias digitais e o estímulo ao teletrabalho. “Através de investimento e inovação em produção industrial, agropecuária, comércio e serviços e atividades do terceiro setor, vamos gerar as condições para novos e bons empregos e novas formas de proteção social, trabalhista e previdenciária”, disse, durante discurso de posse.

O ministro também afirmou que pretende regular a relação trabalhista por aplicativo e criar um sistema para proteger os trabalhadores autônomos. Sobre o salário mínimo, Marinho disse que vai propor ao presidente Lula uma política de valorização permanente, a ser apresentada ao Congresso.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no Brasil e no mundo?

Então nos siga em nossas redes sociais, como o Facebook, Instagram e Google News. Assim, você acompanhará tudo sobre economia, esporte, tecnologia, saúde e muitas outras matérias interessantes.