Mato Grosso do Sul está entre os estados com maior número de queimadas

Plataforma de monitoramento do Inpe revela que, com a chegada do período mais seco, focos de queimadas aumentaram no Cerrado e Amazônia.

Número de queimadas aumentam em Mato Grosso do Sul. Foto: Reprodução
Número de queimadas aumentam em Mato Grosso do Sul. Foto: Reprodução

Os focos de incêndios detectados de 1º janeiro a 20 julho no Cerrado e na Amazônia já são maiores do que os detectados no mesmo período do ano passado, segundo a medição do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). De 1º até o dia 20 de julho, a plataforma havia revelado 4.252 e 2.023 focos de queimadas em ambos os biomas, respectivamente.

Desde o começo do ano, os números tornam-se cada vez mais alarmantes: foram 15.121 focos de incêndios no Cerrado e 9.556 na Amazônia. No acumulado do ano, o número de queimadas no Cerrado é quase três vezes maior que na Mata Atlântica, onde foram detectados 3.303 focos. Já em relação à Amazônia o número equivale ao dobro.

Entre os dez estados com mais focos de queimadas detectados pelos satélites do Inpe, desde janeiro, estão:

  • Mato Grosso, com 7.859;
  • Tocantins, com 3.920;
  • Maranhão, com 3.170;
  • Minas Gerais, com 2.039;
  • Bahia, com 2.001;
  • Pará, com 1.777;
  • Goiás, com 1.567;
  • Mato Grosso do Sul, com 1.394;
  • Piauí, com 927; e
  • São Paulo, com 761.

Se considerado apenas o mês de julho (até o dia 20), Maranhão (1.412 focos), Tocantins (1.145), Mato Grosso (1.019), Pará (653), Minas Gerais (546) e Goiás (349) lideram o ranking de estados com mais focos de incêndios. Bahia, Piauí e Amazonas também registraram mais de 300 focos de queimadas no decorrer do mês.

Os dados revelam que a região conhecida como Matopiba, acrônimo para os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, destaca-se entre as que mais estão queimando os seus ecossistemas. Predominante nessas áreas, o Cerrado tem sido alvo da monocultura de grãos, a exemplo da soja, entre outras atividades agropecuárias, que se expandiu entre os quatro estados a partir da segunda metade dos anos 1980.

Tempo seco

Com a chegada do período mais seco, os altos números também preocupam nos estados que compõem a Amazônia Legal (Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Pará e Amazonas, principalmente), nos quais as ocorrências de queimadas estão frequentemente associadas à devastação das florestas e à posterior grilagem de terras, assim como ao avanço sobre áreas protegidas e terras públicas.

O aumento de doenças respiratórias está entre os inúmeros prejuízos causados pelos incêndios à população dessas regiões. Outros problemas incluem a perda de patrimônio socioambiental e cultural, como as áreas de uso familiar ou coletivo atingidas pelo fogo criminoso, as faixas de florestas e cerrado que representam habitats para muitas espécies animais e vegetais e mesmo os sítios arqueológicos ainda desconhecidos por instituições de pesquisa e comunidades do entorno.

Municípios

A maior parte dos municípios com altos números de queimadas detectados desde o início do ano está concentrada no estado do Mato Grosso, no qual se localizam faixas tanto de Cerrado quanto de Amazônia.

Entre os 10 que registraram o maior número de queimadas detectadas de 1º de janeiro a 20 de julho, estão:

  • Corumbá (MS), com 483 focos;
  • Feliz Natal (MT), com 482;
  • Nova Ubiratã (MT), com 480;
  • Formoso do Araguia (TO), com 414;
  • Lagoa da Confusão (TO), com 412;
  • União do Sul (MT), com 392;
  • Nova Maringá (MT), com 390;
  • Tangará da Serra (MT), com 364;
  • Fernando Falcão (MA), com 332; e
  • Marcelândia (MT), com 319.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no Brasil e no mundo?

Então nos siga em nossas redes sociais, como o Facebook, Instagram e Google News. Assim, você acompanhará tudo sobre economia, esporte, tecnologia, saúde e muitas outras matérias interessantes.